Sem Crescimento Não Há Consolidação Orçamental
– Finanças Públicas, Crise e Programa de Ajustamento

Emanuel Augusto dos Santos

 

1ª Edição

Formato 17 x 24 cm

ISBN: 978-972-618-701-1

EAN: 9789726187011

Depósito legal: 349956/12

172 páginas

Ano de publicação: 2012

 

P.V.P.: 13,50 euros          

 

Veja o debate com o autor no programa «Comissão Executiva»: 1ª Parte e 2ª Parte.

 

 

«As finanças públicas ocupam sempre uma posição fulcral na vida económica, social e política de qualquer país. Mas poucas vezes na história nacional essa posição foi tão decisiva como atualmente.

O livro que o Dr. Emanuel dos Santos agora nos apresenta não poderia portanto ser mais oportuno. Ele não se distingue todavia apenas pela oportunidade: a sua qualidade é uma característica ainda mais relevante.

A presente obra fornece-nos um exame muito completo sobre o que foi a evolução das finanças públicas em Portugal durante os últimos 30 anos, com especial incidência sobre o período posterior a 2005, quando mudou a cor política do governo. Diferentemente do que acontece em muitos outros escritos recentes neste mesmo domínio, o autor não formula conclusões para as quais não procure apresentar justificações assentes em boas bases técnicas e nos dados estatísticos necessários. Apesar disso, o texto é redigido de forma clara e não envolve grandes sofisticações teóricas. Daí que ele seja facilmente acessível a leitores que não sejam economistas profissionais. Mas, mesmo os que o são, e bem assim outros estudiosos e comentadores que tenham dado mais atenção às questões das finanças públicas nacionais, colherão ensinamentos de interesse nas informações e análises que este livro contém.

Como normalmente sucede, as opiniões do autor não serão sempre partilhadas por todos os leitores. Todavia, mesmo os pontos de possível discordância, que no entender do autor deste prefácio, serão muito raros, trazem contribuições fecundas, pelas reflexões que tendam a provocar.»

José da Silva Lopes

 

«Este livro de Emanuel Augusto dos Santos, que se baseia sempre no suporte de uma robusta e meditada informação quantitativa, conclui que a multiplicidade das causas da atual crise, tanto as que se prendem com as dificuldades estruturais da economia nacional como as que se referem às insuficiências no desenho da União Económica e Monetária, implicam respostas políticas, em particular na esfera orçamental, muito diferentes da atual política pró-cíclica de austeridade dominante nos círculos europeus de governação económica. Com serenidade, esta obra coloca o leitor perante a inquietante constatação de que as consequências economicamente desastrosas, socialmente devastadoras, e politicamente ameaçadoras para o futuro da unidade europeia, decorrentes dos atuais programas de ajustamento poderiam ser consideravelmente reduzidas se a doutrina em que se inspiram não estivesse tão fortemente divorciada de um tratamento inteligente das dinâmicas complexas do mundo real.»

Viriato Soromenho-Marques
Professor catedrático de Filosofia Política da Universidade de Lisboa

 

ÍNDICE (Ficheiro PDF – 149 KB)

 

|  Voltar à página anterior  |  Voltar ao ínicio da página  |